QUARENTENA E LOCKDOWN: QUAL É A DIFERENÇA E COMO SE PROTEGER?

Desde o surgimento do novo coronavírus, ainda lá Wuhan, na China, nosso vocabulário habitual ganhou novas palavras, como quarentena, isolamento, distanciamento e lockdown. Essa última palavra, lockdown, tem sido a mais recente nas comunicações brasileiras nas ultimas semanas, isso por que só agora algumas cidades foram obrigadas a impor essa medida para a população por conta da capacidade atual do seu sistema de saúde.

Com tantos termos novos em nossas vidas é normal que a gente se confunda, por isso nós fizemos um mini guia rápido para explicar a diferença entre eles. Continue lendo para entender:

Distanciamento Social

Como a própria palavra já diz, trata-se de um afastamento voluntário de outras pessoas, mesmo que você não esteja doente, para evitar o contato com pessoas infectadas.

O propósito é que, pessoas que podem ficar em casa fiquem, para que as que não podem possam sair com mais segurança, encontrando menos pessoas nas ruas e diminuindo as chances de contágio com o vírus.

Além disso, para as pessoas que precisam sair, o recomendado é buscar manter ao menos 2 metros de distância de outras pessoas para um cuidado mútuo, por exemplo.

Isolamento Social

É uma recomendação médica, mas assim como o distanciamento social, o isolamento também não é obrigatório. Geralmente ele é recomendado para pessoas que tiveram contato com alguém infectado, para quem está esperando os resultados dos testes, ainda que esteja assintomático, ou para pessoas sintomáticas e com a confirmação do contágio.

Existem dois tipos de isolamento social, o vertical e o horizontal:

  • Vertical: é indicado apenas para as pessoas do grupo de risco, ou seja, idosos, gestantes e pessoas com doenças crônicas como diabéticos, cardíacos, hipertensos e pessoas com doenças pulmonares;
  • Horizontal: atinge toda a população, ou seja, pessoas que não trabalham em serviços essenciais como hospitais, mercados e farmácias, por exemplo, devem permanecer em casa.

O período recomendado de isolamento social é de 14 dias, que é o tempo que o vírus leva para se manifestar no corpo. Apesar disso, ele pode ser estendido dependendo do resultado dos exames laboratoriais ou dos sintomas apresentados pelo paciente, por exemplo.

Quarentena

Diferente do distanciamento e do isolamento, a quarentena é imposta pelas autoridades, podendo ser em escala municipal, estadual ou federal.

Ela serve para diminuir a circulação de pessoas que possam ter sido expostas ao vírus e, consequentemente, diminuir a proliferação do contágio. Essa medida passa a valer a partir da publicação e divulgação de um ato administrativo formal – lei, decreto ou portaria, por exemplo.

Originalmente uma quarentena dura 40 dias, como o próprio nome já diz, mas atualmente esse período pode ser reduzido ou estendido, dependendo do ritmo de contaminações do local onde foi decretada, por exemplo.

Lockdown

É semelhante a quarentena, porém mais rígido. Traduzido livremente do inglês, lockdown significa confinamento. Sendo assim, as autoridades estipulam, também por meio de lei, decreto ou portaria, que aconteça um bloqueio total das atividades não essenciais.

Durante o lockdown a circulação de pessoas e carros é reduzida, permitindo que as pessoas saiam de casa apenas para ir ao mercado, farmácia ou hospital, por exemplo. Essa medida também possibilita que o governo utilize as forças armadas ou aplique multas e detenções caso a população descumpra o decreto e promova aglomerações.

Essa medida mais dura acontece quando o sistema de saúde de um determinado local está prestes a colapsar, ou seja, não tem mais capacidade de atender novos doentes ou não possui mais leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) para tratar casos graves.

Como se proteger nesses casos?

Após 2 meses de distanciamento social, a maioria das pessoas já estão saturadas de saber sobre os cuidados para não contrair o COVID-19. Desde os básicos, como lavar sempre as mãos; utilizar álcool em gel para higienização quando não for possível lavar com água e sabão; utilizar a máscara de proteção cobrindo boca e nariz; manter uma distância de ao menos 2 metros de outras pessoas; evitar contato físico; lavar as comprar ao chegar em casa, até os mais bem pensados, como economizar água e luz enquanto estiver em casa; manter um plano de saúde ativo, se possível; cortar gastos desnecessários como assinaturas de academias; entre outros.

Durante o lockdown esse cuidado não é diferente. Porém, considerando que no período de confinamento a rigidez para sair de casa é ainda maior, é importante prestar atenção não só na nossa saúde física, mas também na mental. No início de abril nós fizemos um post sobre cuidados com a saúde mental em tempos de coronavírus e, em período de lockdown, as dicas são ainda mais válidas. Você pode conferir clicando aqui.

Não deixe de se cuidar e cumprir as recomendações da sua cidade, pois só cuidando de nós mesmos e dos outros sairemos dessa situação mais rápido. Lembre-se: #CuidarÉColetivo!

DEIXE UM COMENTÁRIO